Como Battlefield 3 prova de uma vez por todas que games são arte


No dia 4 de fevereiro, a EA e os estúdios da DICE apresentaram o primeiro teaser de Battlefield 3. O vídeo era uma série de cenas de guerra passadas em sequência através de um filtro escuro e opaco, com a impaciência de um videoclipe da década de 90 e fazendo tanto sentido quanto um. Era também um demonstrativo do que aguardar: uma fantasia militar explosiva e crua que traz pouca carga temática para uma indústria já abarrotada de fantasias militares.

Battlefield 3 (Foto: Divulgação)Battlefield 3 (Foto: Divulgação)

Há uma grande discussão entre quem acredita que videogame é uma obra de arte e quem o considera mais um produto da indústria do entretenimento. Por via de regra, os últimos produzem games como Battlefield 3, e os primeiros torcem o nariz para o produto final, muitas vezes com veemência religiosa. Mas neste caso em particular é difícil acreditar que mesmo os mais inflexíveis não iriam se surpreender com o que veio pouco depois do anúncio de BF3: a Frostbite 2.

A Frostbite 2 é a engine que irá mover Battlefield 3. Uma engine, para quem nãoo sabe, ocupa um papel fundamental no desenvolvimento do jogo: é ela quem, a partir de dezenas de gráficos, códigos e interfaces, delimita regras de programação que irão servir de coluna vertebral para o game final. Em termos simples, ela rege o cenário, as vestimentas, o palco e até os trejeitos a partir dos quais os atores do jogo irão atuar.

A engine de BF3 é uma evolução da Frostbite, o motor de Battlefield: Bad Company 2, e traz como principais mudanças pequenas as animações, destruição de cenários mais precisa e o principal: a iluminação. A Enlighten é uma inovação que permite um uso mais realista de pontos de claro e escuro a partir de uma idéia simples: a de que a sombra, mesmo na ausência da luz, também capta e projeta cor no ambiente.

<br>


A luz e o movimento

Se acima comparamos uma engine a uma peça de teatro, pode-se muito bem dizer que a Frostbite 2 é a principal obra impressionista dos games. Auguste Renoir e Edgar Degas todos lidavam com os mesmos problemas artísticos que os engenheiros da DICE, e o jeito como a mudança da luz subverte o cenário e a atenção do espectador é emprestada da arte plástica e usada também como elemento do jogo (veja como a iluminação serve de referência para todas as ações dos soldados no trailer).

Para capturar o olhar do jogador de maneira natural, uma única fonte de luz recriada através da Frostbite 2 tem tanta informação quanto a iluminação inteira de uma mapa de Bad Company 2 (que como fãs sabem, podem ser gigantescos).

Frostbite 2 e – em extensão – Battlefield 3 são arte não apenas porque podemos compará-los à obra de grandes nomes da pintura. Claro, uma engine é um aglomerado de senhas alfanuméricas e interfaces que têm por si só o valor artístico de um aspirador de pó, disso é impossível escapar. Mas é também fruto de uma visão muito particular de mundo, e seu resultado ultra-realista, impregnado de personalidade, é – inquestionavelmente – arte.

Battlefield 3 (Foto: Divulgação)Battlefield 3 (Foto: Divulgação)

Do outro lado dos holofotes

É difícil falar de arte em games quando eles são produtos de mãos muitas vezes desconexas. Embora boa parte da arquitetura da Frostbite 2 tenha sido desenvolvida internamente pela equipe da DICE, o preciso sistema de iluminação é na verdade fruto do trabalho de uma companhia terceirizada: a britânica Geomerics. Isso quer dizer que o soldado correndo no trailer e o sol que bate em seu uniforme foram criados por pessoas que nem sequer dividem o mesmo escritório.

A Geomerics é uma empresa especializada em middleware para games, e já trabalhou com gente como Volition (Red Faction: Guerilla) e Visceral Games (Dead Space 2). Curiosamente, uma rápida olhada no perfil da equipe revela um amplo domínio de professores e doutores em astrofísica, assim como outros PhDs. Artistas mesmo são muito poucos (mais notavelmente um rapaz responsável pelo sistema de navegação do game Black & White 2).

Esse tipo de serviço “Frankenstein” é via de regra na indústria de games, e movimenta um mercado vivo e pulsante, contando com consultores, mão-de-obra especializada e necessidade constante de novos talentos, tudo ao redor de pequenas nuanças do processo de desenvolvimento de jogo.

A Geomerics, com seus doutores e PhDs enfrenta um problema grande: novatos se sentem intimidados pela necessidade de extenso know-how para trabalhar no ramo. Isto quando não se sentem completamente desinteressados: apesar de exigir uma demanda menos pesada que as horas de trabalho de uma desenvolvedora comum, o sucesso vem em escassas doses. Vocês sabiam, por exemplo, que a fumaça de Call of Duty 3 (elogiada pela crítica como altamente realista e dinâmica) foi terceirizada por outra companhia externa, longe dos estúdios da Treyarch?

Este é um sintoma de uma indústria em que cada novo agregado sonha em ser o próximo Walt Disney ou Orson Welles – e geralmente é treinado assim – e onde é fácil esquecer que existe arte até mesmo em meio às pequenas engrenagens e práticas.

FONTE: Techtudo

Anúncios
Esse post foi publicado em Diversão, Games, Notícia, Tecnologia, Video e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s